Campeonatos nacionais: relembre o que de melhor aconteceu.

Campeonatos nacionais: relembre o que de melhor aconteceu.

27 de dezembro de 2019 0 Por Jogando Com Elas

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

O JCE traz uma retrospectiva dos campeonatos nacionais em 2019.

 

O ano de 2019 foi de mudanças, afirmações e, principalmente, de muita qualidade no futebol feminino do Brasil. Com o investimento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), criando e reestruturando competições, as disputas nacionais do Campeonato Brasileiro Série A1 e A2, Sub-18 e Sub-16, trouxe a expectativa de que a categoria cresça e se desenvolva cada vez mais e de uma forma ainda melhor. 

Quebra de tabus, futebol feminino por todo o país, golaços, premiações e títulos. Tudo isso em quatro campeonatos, com a contribuição de diversos clubes e talentos de atletas e de técnicos e técnicas. Em um ano onde a modalidade esteve mais visível que nunca, o JCE, em sua série de retrospectiva, traz o que de mais importante aconteceu. Confira:

 

Brasileirão Série A1: Festa do interior

Principal competição nacional, o Brasileirão Série A1 trouxe emoção do início ao fim. Com 16 equipes, o campeonato foi dividido em duas fases – a primeira em que todos os clubes se enfrentaram em partidas únicas, e a outra onde os oito melhores avançaram para o mata-mata. No total, foram disputadas 134 partidas, que tiveram 384 gols marcados e a Ferroviária como grande campeã. 

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

A equipe de Araraquara alcançou seu segundo título brasileiro fazendo uma campanha marcada por altos e baixos na primeira fase – foram seis vitórias, cinco empates e quatro derrotas, acabando na sétima colocação. No entanto, a afirmação do veio nas fases posteriores, onde superou clubes tradicionais. Nas quartas-de-final, o time de Araraquara saiu atrás no confronto contra o Santos jogando em casa, mas na Baixada Santista conseguiu levar a decisão para os pênaltis e se classificando. Na semifinal, o adversário foi o Kindermann/Avaí e o roteiro se repetiu: após dois empates, a Ferroviária conquistou sua classificação para a final na marca da cal. 

No último duelo, havia a forte e poderosa equipe do Corinthians, que vinha quebrando recordes e buscava ainda mais. Em quatro duelos seguidos (dois pela semifinal do Campeonato Paulista e outros dois pelo Brasileirão), as meninas do time grená, sob comando de Tatiele Silveira, talento de Aline Milene e experiência de Luciana, não se intimidaram e após um empate por 1×1 na Fonte Luminosa e 0x0 na casa corintiana, nos pênaltis, o tão sonhado título veio. 

 

Brasileirão Série A2: Final com clássico nacional

Com representantes de todas as regiões do país, o Brasileirão Série A2 teve, ao todo, 36 clubes na disputa. Divididos na primeira fase em seis grupos, os 16 melhores colocados avançaram para o mata-mata, até que o campeão fosse conhecido. Em 120 jogos, foram marcados 465 gols e o título da competição ficou com o São Paulo. 

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

Retomando o elenco feminino, o São Paulo tinha por principal objetivo na temporada ascender à primeira divisão e conseguiu. Para tanto, a principal contratação foi a atacante Cristiane, que chegou para somar aos demais talentos do grupo. Com uma primeira fase irreparável, vencendo todas as partidas, as meninas do Morumbi se credenciaram à conseguir o acesso. Nas oitavas de final, o tricolor passou sem dificuldades pelo Botafogo-SP. Na fase seguinte, a equipe de Cotia enfrentou o Taubaté. Depois de perder a partida de ida por 1 a 0, na volta, Bruna, Ary Borges e Valéria colocaram sua equipe na semifinal, para enfrentar o Palmeiras. No clássico denominado “choque de rainhas”, após empatar fora de casa, as são-paulinas conseguiram, em seus domínios, vencer e chegar até a decisão. 

Na final, o Cruzeiro era o obstáculo a ser batido e o título começou  a ser encaminhado já no jogo de ida. Em um duelo onde o São Paulo sobrou em campo, uma goleada por 4×0. Bruna, Yaya, Valéria e Cris fizeram os gols do triunfo. No duelo da volta, o tricolor paulista fez outra boa partida, soube administrar o empate em 1 a 1, e ergueu a taça inédita da competição. 

 

Brasileirão Sub-18: Gurias Coloradas venceram primeira edição

Foi buscando suprir uma carência na categoria, e ao mesmo tempo para fomentar a qualidade do futebol feminino brasileiro, pensando em seu futuro, que a CBF organizou o primeiro Brasileirão para as categorias de base. Com o foco no Sub-18, a competição foi disputada por 24 equipes, divididas em seis grupos e com sedes em locais diferentes. Em 90 jogos, 385 gols foram marcados e o Internacional conquistou a primeira edição da competição. 

Futebol

(Foto: Thaís Magalhães / CBF)

 

A categoria de base colorada mostrou desde o início a que veio, referendadas pela conquista do estadual Sub-18 frente ao Pelotas. Na primeira fase, a equipe não encontrou dificuldades. Em um grupo com Corinthians, Ferroviária e Chapecoense, as coloradas passaram de forma invicta. Na fase seguinte, pela frente havia Santos, Flamengo e Vitória, e o Internacional garantiu a vaga para o mata-mata se classificando na segunda posição. Na semifinal, contra o Iranduba, o clube gaúcho aplicou uma goleada de 5 a 0 no jogo de ida, o que deixou a situação bem tranquila para a volta, em Manaus, quando o duelo terminou empatado em 1 a 1.

Na decisão, o Internacional encarou a forte equipe do São Paulo. O primeiro jogo ocorreu em Porto Alegre e a vitória foi vermelha, pelo placar mínimo. No duelo de volta, o São Paulo saiu na frente, mas Belinha, ainda no primeiro tempo, empatou a partida e garantiu o título para as Gurias Coloradas.

 

Brasileirão Sub-16: Made In Cotia 

Seguindo com o objetivo de ampliar o calendário do futebol feminino, a CBF realizou neste ano também o primeiro Campeonato Brasileiro Sub-16. Em um modelo parecido com o sub-18, a competição foi disputada em Minas Gerais, e contou com a participação de 12 equipes. No total, a bola balançou a rede 71 vezes, em 22 partidas. E quem levantou a taça foi o São Paulo. 

(Foto: Yuri Laurindo / CBF)

 

Com uma das melhores base do país, o São Paulo que, pouco tempo atrás havia batido na trave no Brasileirão sub-18, foi o campeão na categoria sub-16. Na primeira fase, no grupo C, a equipe paulista se classificou na segunda posição. Ao avançar para o mata-mata, o tricolor goleou a Ferroviária por 6 a 1. E na grande final, contra o rival Santos, conquistou o título ao vencer pelo placar mínimo. 

 

Primeira treinadora mulher campeã nacional e melhores do ano

Considerado o principal sucesso de 2019, o Campeonato Brasileiro Série A1 mesmo após o seu término seguiu entrando para a história. Neste ano, pela primeira vez, as atletas que mais se destacaram na competição foram premiadas. Além da seleção com as 11 melhores, a melhor jogadora e treinadora, o gol mais bonito, a revelação, a artilheira e a craque da galera, também receberam troféus. O destaque foi a atacante corintiana, Milene, que subiu ao palco três vezes (ela foi a artilheira, melhor atacante e craque do campeonato). 

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

Outra pessoa que também deixou seu nome marcado no futebol feminino este ano foi a técnica da Ferroviária, Tatiele Silveira. Eleita como melhor treinadora, ela comandou a equipe de Araraquara no título do Brasileirão A1, se tornando a primeira mulher a conquistar, como treinadora, tal façanha.

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

Tristeza de quem cai… alegria de quem sobe! 

Por fim, enquanto alguns clubes comemoram o acesso garantido para a elite do futebol nacional em 2020, como São Paulo, Cruzeiro, Palmeiras e Grêmio, outros lamentam a queda para o Brasileirão Série A2, casos de Vitória das Tabocas, Foz Cataratas, São Francisco e Sport Recife. As competições começarão no início do próximo ano, prometendo ainda mais emoção e qualidade.

 

Edição: Guilherme Maia